Cadastre seu Email

sábado, 2 de junho de 2012

Polêmica

Pedido de porte de arma divide opiniões na Guarda Municipal de São Vicente

Victor Miranda
Créditos: Paulo Freitas
23 agentes querem porte de arma

A notícia de que 23 agentes da guarda civil municipal de São Vicente reivindicam no Supremo Tribunal Federal (STF) o direito de portar armas de fogo pegou muita gente de surpresa dentro da corporação. Alguns agentes procuraram A Tribuna para dizer que não concordam que este grupo fale em nome da entidade, e se mostram desconfortáveis com a possibilidade.

De um modo geral, a justificativa dada pelos contrários ao armamento é a de que, antes de equipar os agentes com armas de fogo, é preciso melhorar a estrutura atual. Em outras palavras, na opinião destes, mais vale investir na contratação de guardas civis, viaturas e fardamentos.

“Sou 100% contrário à proposta. Não tenho o menor interesse de concorrer com a Polícia Militar, que é a verdadeira responsável por garantir a segurança pública”, justifica o comandante da Guarda Civil Municipal, Paulo Paixão.

Responsável por comandar uma corporação com efetivo de 245 agentes, Paixão enumera pelo menos outras três áreas que devem ser vistas como prioritárias: melhorias na sede do canil da Guarda, aquisição e equipamento de uma sede e a aquisição de um novo lote de coletes para os agentes.

O subcomandante da corporação, Paulo Sérgio Lourenço, segue o mesmo discurso. “É o tipo de medida que precisaria ser bem calculada, além de depender de uma preparação psicológica intensa para capacitar os agentes”, comenta. Para ele, ao menos no momento, mesmo com um acompanhamento psicológico “não é hora de pensar em armas”.

A principal preocupação recai sobre os agentes de rua, ou seja, aqueles que passam os dias fazendo patrulhamento, que serão os mais afetados pela medida, caso o grupo consiga aprovação do habeas corpus que garantiria o aparelhamento do efetivo da corporação no STF – a proposta foi negada anteriormente na Comarca de São Vicente e nas instâncias seguintes.

“Ninguém deste grupo me perguntou se quero andar armado. E se fizerem esta pergunta, a resposta será negativa”, comenta um agente, que costuma fazer a ronda em um equipamento municipal.

Já o guarda de primeira classe, Samuel Teixeira, é mais enfático. Ele, que costuma fazer o patrulhamento em viaturas, teme que um eventual armamento possa fazer dos guardas municipais alvos de bandidos. “Já fui militar e andei armado. Posso garantir que não teria problema em manusear um revólver. Mas acho que seria uma experiência horrível”, comenta. 

Duas razões justificam o seu ponto de vista.“Primeiro, não é qualquer pessoa que tem estrutura psicológica para estar armada. Segundo, porque nosso efetivo é reduzido, de modo que frequentemente o patrulhamento é feito apenas por um agente. Qualquer malandro pode enquadrar este guarda e roubar seu artefato”, justifica.

Em consulta interna realizada em 2009, a supervisora da Guarda Municipal, Andréa Carla Bermudes Duran, lembra que menos de 10% do efetivo mostraram-se favoráveis ao aparelhamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários,críticas,sugestão são bem vendas!

SE VOCÊ GM, QUER QUE SEJA PUBLICADO AQUI ALGUMA MATERIA , PODE SER SUA; OU UMA SUGESTAO ,MANDE PRA O MEU E-MAIL- bloggmgo@gmail.com É UMA FORMA DEMOCRATICA DE PARTICIPAREM DO BLOG. QUE É NOSSO E LIVRE!