Cadastre seu Email

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Capa » Bahia » Cotidiano » Guardas municipais de Salvador paralisam serviços por 72 horas

Guardas municipais de Salvador paralisam serviços por 72 horas

Os guardas afirmam que a atitude unilateral da superintendência do órgão em modificar a escala de trabalho
Salvador – Os guardas municipais de Salvador decidiram paralisar os seus serviços, em assembleia realizada na manhã desta quinta-feira (14) na sede da Susprev, naAvenida  San Martin. O motivo da suspensão das atividades por 72 (setenta e duas) horas é a atitude unilateral da superintendência do órgão em modificar a escala de trabalho dos guardas municipais, tornando o cumprimento da jornada imposta, uma situação prejudicial aos trabalhadores.
De acordo com o coordenador geral do Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Salvador, Jeiel Soares, a instituição tenta de todas as formas, que os trabalhadores da Guarda Municipal sintam-se oprimidos com as decisões autoritárias emanadas da superintendência. “Os relatos feitos por diversos companheiros da Guarda Municipal demonstra a forma opressiva e o assédio moral ao qual estão sendo submetidos em sua jornada de trabalho. Todas as formas de prejudicar os trabalhadores estão sendo utilizadas.
O que vemos aqui é a falta de estrutura de trabalho, onde os guardas municipais praticamente bancam a operacionalidade da instituição. Isso deve acabar, pois buscaremos nossa valorização a qualquer custo”, afirmou Soares. Uma nova assembleia foi marcada para a próxima segunda-feira (18), às 08h, na sede da Susprev.

PMA orienta guardas estatutários a procurar a Justiça
Guardas Municipais estatutários querem o enquadramento
Presidente da associação diz que a categoria precisa de reconhecimento (Fotos: Portal Infonet)
Sem direito ao Plano de Carreira e sem isonomia salarial os guardas municipais estatutários, -que não entraram no serviço público por meio do concurso da Guarda Municipal, porque na época não existia o certame,- reclamam do descaso e até da discriminação que estão sofrendo. A reivindicação é antiga e já noticiada pelo Portal Infonet.
De acordo com o presidente da Associação dos Guardas Municipais de Aracaju, Adelson Lima Santos, não existe interesse por parte da prefeitura em resolver a situação dos mais de 100 servidores que desempenham as mesmas funções de um guarda concursado, mas que recebem bem abaixo dos colegas de farda.
“No meu contracheque o vencimento é de R$856,33 enquanto que um guarda concursado recebe cerca de R$1800. A procuradoria deu o parecer favorável para que todos tivessem direito a periculosidade com pagamento do retroativo a partir de janeiro, mas nós [estatutários] só recebemos o mês de maio, enquanto os concursados receberam o retroativo”, afirma Lima que reclama ainda que a categoria sofre com a discriminação no trabalho.
O contracheque mostra o salário do guarda estatutário
“A guarda municipal já existia antes do concurso, nós somos servidores estatutários, mas atualmente eu que trabalho em uma Praça da Juventude das 19h até ás 7h da manhã não tenho direito a usar uma arma porque até hoje não realizaram o curso para nós. Trabalhamos humilhados, porque existem ocorrências de assaltos e não podemos fazer nada, e muitas vezes como na semana passada conseguimos tomar três facas, mas corremos risco”, fala.
Enquadramento
Lima enfatiza que os estatutários não têm Plano de Carreira e nem podem melhorar a função. “Quando foi realizado o concurso nós perdemos todos os direitos, antes existiam os supervisores que eram os funcionários, mas quando foi estabelecido o concurso foi retirado todos os guardas das funções para que somente os concursados pudessem desempenhar. Por isso, queremos o enquadramento porque no caso da polícia ninguém perdeu os direitos pelo contrário, mesmo com o concurso os policiais foram valorizados chegando a postos de sargento e coronel, mas nós simplesmente não temos o direito a crescer”, desabafa.
Adelson reclama que a periculosidade não foi paga com o retroativo
O presidente da Associação dos Guardas Municipais salienta ainda que o fato de lutar pelos direitos da categoria não quer dizer que ele seja contra os concursados. “Não somos contra os concursados, mas estamos querendo o reconhecimento desses servidores que fundaram a Guarda Municipal, além disso, queremos que o comando da guarda também brigue por todos e não somente por alguns”, completa.
Justiça
O secretário de governo, Lucas Alves Fialho, esclareceu que os estatutários não são guardas de carreira e por isso não estão inseridos no Plano de Carreira dos guardas concursados. Quanto a remuneração, o secretário completa que os estatutários recebem  como servidores da administração geral.
“Em consulta a PGM [Procuradoria Geral do Município] foi dado o direito a periculosidade  para os concursados e estatutários. A prefeitura não esqueceu dos estatutários apenas não podem enquadrar pela determinação expressa da Constituição.  Eles podem pleitear judicialmente isso, mas administrativamente falando temos a expressa proibição constitucional”, garante.
Questionado sobre a consulta a PGM, em relação ao enquadramento, Lucas Filho, afirma que não tem conhecimento se a prefeitura já realizou uma consulta para verificar a possibilidade do enquadramento dos estatutários.
“De março para cá, que é o tempo que estou na secretaria, não foi realizada nenhuma consulta, mas posso verificar junto ao procurador”, ressaltou o secretário de governo que até o fechamento da matéria não se pronunciou sobre a consulta feita com o procurador.
Por Kátia Susanna

Guarda Municipal de Presidente Dutra é a terceira melhor do Brasil

Equipe do 180graus entrevista subcomandante da Guarda Municipal de Presidente Dutra, o inspetor Henrique Sousa. A Guarda da cidade conta com um grupo de 26 agentes, uma moto e um carro para dar suporte a guarnição.
"Os casos mais constante são os acidentes de moto, a média é de 15 incidentes por semana. A Guarda Municipal tem poder de polícia e isso vem inibindo ações dos bandidos, houve uma redução do indice de assaltos as lojas do município, a população se sente mais segura com a presença dos guarda municipais", destaca Henrique Sousa. 

Para fugir da polícia, trio se esconde dentro do Rio Paraguai

Caso aconteceu na noite de ontem (08), em Corumbá

 assaltantes abandonar a ideia de tentar fugir, se escondendodentro do rio Paraguai, em Corumbá (MS). Segundo informações da Guarda Municipal, por volta das 21h de ontem (08), três pessoas abordaram uma equipe da Guarda Municipal, que fazia ronda pela região portuária em um veículo, informando-a que haviam acabado de serem assaltadas por um trio.
DIÁRIO ONLINE 


As vítimas contaram que os criminosos estavam com armados com uma faca e um revólver e levaram pertences como aparelhos de telefone celulares e correntes. Como os integrantes da Guarda Municipal não utilizam arma de fogo, tiveram que pedir apoio para a Polícia Militar. O trabalho conjunto acabou encontrando os autores do roubo dentro do rio Paraguai: um, estava embaixo de um lancha, e os outros dois em meio a camalotes (vegetação aquática).
Com o trio foram encontradas: uma toca, estilo ninja; uma chave de veículo; e uma faca, porém, o revólver descrito pelas vítimas, não foi achado. Os autores e as vítimas foram encaminhadas para a Delegacia de Polícia Civil de Corumbá.

Grupamento Especializado de Motos prende autores de roubo em Corumbá

Aumentar texto Diminuir texto
Assessoria/FB
O Grupamento Especializado de Motos (GETAM) do 6° Batalhão de Polícia Militar, prenderam na noite de sexta-feira (8), três indivíduos acusados de roubarem celulares,corrente e a chave de um veículo, que estavam com um casal no Porto Geral em Corumbá.
Os policiais deslocaram até o local, encontrando a vítima e uma equipe da Guarda Municipal. A vítima repassou as informações sobre os autores e indicou que os mesmos fugiram com para a vegetação aquática no rio Paraguai.
O GETAM capturou um dos indivíduos dentro de uma canoa. Outra viatura da polícia militar foi encaminhada para o local e com o auxilio de uma embarcação, foi possível capturar mais outros dois autores que estavam escondidos entre a vegetação aquática.
Com os autores foram encontrados três facas e chave do veículo da vítima. Os três foram presos e encaminhados para Polícia Civil em Corumbá.


Polícia
Enviado por Redação 8/6/2012 22:30:34
O corpo foi enterrado no Parque da Colina, em Niterói (Foto: Julio Diniz) ::

Polícia 'caça' assassinos de guarda

As constantes operações da polícia contra criminosos que atuam no tráfico de drogas no Campo Novo, na divisa entre Arsenal e Maria Paula, em São Gonçalo, podem ter motivado a execução do guarda municipal da Prefeitura de Niterói, Ronaldo Araújo Barbosa, de 40 anos, assassinado, na madrugada de quinta-feira. De acordo com o delegado da 75ª DP (Rio do Ouro), Julio Cesar Mulatinho, a partir da segunda-feira, parentes e colegas de serviços do guarda serão ouvidos para tentar esclarecer o motivo do crime.
“Até o momento, a principal linha de investigação é a de que Ronaldo tenha sido confundido com um policial militar e executado por traficantes de drogas da região”, disse o delegado.

Segundo com dados do Serviço de Inteligência (P-2) do 7º BPM (São Gonçalo), o crime tria sido ordenado pelo traficante identificado como Chipan, apontado pela polícia com ‘chefe’ do tráfico na comunidade Risca Faca.
Segundo informações da polícia, o crime seria uma retaliação pelas seguidas prisões feitas na comunidade, nas últimas semanas, após denúncias anônimas recebidas pelo batalhão. 

A polícia realizou, ontem, buscas a Chipan e seus comparsas, no Campo Novo, mas ninguém foi preso. 
Quem tiver alguma informação sobre a morte do guarda municipal ou souber o paradeiro dos traficantes da região pode telefonar para o disque-denúncia (2253-1177) ou o para o Serviço de Inteligência do 7º BPM (2701-4323).

Na segunda-feira passada, Diogo Lima Ferreira, 20, foi preso e três adolescentes apreendidos, com carga de drogas e uma metralhadora Uzi, durante ação de policiais do 7º BPM (São Gonçalo) na Rua Aurélio Vieira Sampaio, em Campo Novo. Nessa operação foram apreendidos 1.125 sacolés de cocaína, um tablete de meio quilo de maconha, 16 pedras de crack, dois revólveres 38 e uma metralhadora Uzi 9 milímetros.

No dia 1º de junho, Gustavo Henrique da Silva Vieira, 18, e Rafael Douglas Batalha dos Santos, 19, foram presos pelo Serviço de Inteligência (P-2) do 7º BPM (São Gonçalo), no Campo Novo. Nessa operação foram apreendidas uma pistola calibre 380, 28 trouxinhas de maconha, 35 cápsulas de cocaína e 66 pedras de crack. Os casos foram registrados na 74ª DP (Alcântara).


 Atualizado em segunda-feira, 11 de junho de 2012 - 17h20

Otávio Leite fala sobre a candidatura no RJ

Tucano aposta no segundo turno no Rio e diz que até aceitaria aliança com o DEM, do ex-prefeito Cesar Maia, de quem já foi vice
Crítico da atual gestão é contra a derrubada da Perimetral / Bruna Prado/ Metro RJCrítico da atual gestão é contra a derrubada da PerimetralBruna Prado/ Metro RJ
O deputado federal Otávio Leite (PSDB) já foi vice-prefeito do Rio de Janeiro – no mandato de Cesar Maia –, mas diz que de fato fez pouco pela cidade: tinha uma “caneta sem tinta”.

Defensor dos direitos das pessoas com deficiência, o sergipano de família de políticos criado em Copacabana acredita que irá ao 2º turno com o prefeito Eduardo Paes. E mais: afilhado do ex-presidente Juscelino Kubitschek, diz que fará  40 anos em quatro à frente da prefeitura.

Por que o senhor quer ser prefeito do Rio neste momento?
Porque eu amo esta cidade, tenho ideais e uma vez tendo a oportunidade de executar e usar a caneta com tinta quero mexer em várias estruturas do Rio de Janeiro. Quero ser candidato para cumprir conceitos que eu carrego, abrigo e que quero ver implantados.

Quais seriam esses conceitos?
Em primeiro lugar, trazer a pessoa com deficiência, seja auditiva, visual, intelectual ou física, a uma dimensão de importância jamais vista na nossa história. Oferecendo um conjunto de ações de reabilitação. Permitir que a gente faça em quatro anos o que não se fez em 40. Isso vai produzir não apenas justiça a milhares de brasileiros, mas será um fator básico de humanização da sociedade. A trilogia asfalto-tijolocimento não pode ser imperativa. Há dois eixos, que a gente vai focar.

Quais são eles?
Radicalizar na atenção básica à educação infantil para que o aluno entre no primeiro ano para a alfabetização bem estruturado e que não venha a ser um problema que necessite de outros apoios que acabam custando mais ao próprio município. E o desenvolvimento econômico: fortalecer as iniciativas de base empreendedoras dos jovens. Em cada região administrativa, um Sebrae e uma agência de desenvolvimento econômico, para estimular as pessoas a produzirem.

O senhor já foi vice-prefeito (2005/2006) no governo Cesar Maia. Em que isso traz vantagens e desvantagens?
Bom, ao vice-prefeito é dada uma caneta. A minha veio sem tinta. Mas foram experiências válidas. Dizem que na adversidade você aprende muito. E eu também, evidentemente, tive condição de mergulhar mais nos assuntos do Rio de Janeiro.

Se arrepende dessa aliança?
Não, eu amadureci.

Mas o senhor faria de novo, em eventual segundo turno?
Eu não tenho dúvida que eu vou acolher muito bem aqueles que queiram apoiar, sobretudo dessa aliança DEM-PR (Rodrigo Maia e Clarissa Garotinho). Sua candidatura é solitária perante à do atual prefeito?  Não, em absoluto. Eu tenho a solidariedade de muitos segmentos da sociedade, de muitos companheiros de partido. Isso já preenche aquilo que é básico em relação a se ter apoios mínimos. O que há do outro lado é uma espécie de oba-oba eleitoral, onde os antagonismos ideológicos são tão presentes, quanto tão unidos são os partidos. Esse gigantismo no fundo acabará por trazer problemas, uma espécie de dificuldade de gestão e de contradições que vão estar aí vivas.

O que mudaria na cidade hoje e o que manteria em um primeiro momento de governo?
Eu prosseguiria com o BRT, porque não tem retorno e seria uma irresponsabilidade não dar prosseguimento. Assim como a Cidade da Música deveria já ter sido inaugurada há muito tempo, através de uma parceira com a iniciativa privada e desonerando a própria administração pública. Esse tipo de picuinha política não é comigo. Mudaria por completo a política em relação a pessoas com deficiência. Não se trata nem de mudar, se trata de implantar.

O que acha do projeto Porto Maravilha?
Buscar-se o erguimento daquela área é válido, mas gastar R$ 1,5 bilhão com a derrubada da Perimetral é inaceitável. Esses recursos poderiam ser melhor aplicados num apoio à expansão do metrô. A prefeitura é acionista do metrô. As pessoas vão sair de um engarrafamento no qual respiram e olham um horizonte para o subterrâneo de um túnel, onde o gás carbônico vai imperar. A neurose vai aumentar e daqui a 60 anos, se nada for feito, a elevação do nível do mar vai colocar em risco a região. Vamos alterar o Porto Maravilha para permanecer o elevado, dando tratamento estético, paisagístico, que poderia ser feito chamando arquitetos, carnavalescos, para envelopar com plástico, luzes, cores e fazer dali uma obra de arte. O senhor já foi colega de partido do atual prefeito. Como era a relação de vocês?  Pessoalmente, eu me dou bem com o prefeito. Politicamente, me dou mal com o prefeito. Ele não foi PSDB, ele esteve PSDB. Mas não hesitou em abandonar o partido, como abandonou outros. São perfis políticos. Eu gosto de coerência, mas é uma opção dele, é um estilo de fazer política diferente.

O senhor disse que manteria o BRT. E os BRSs?
Isso é produto de engenharia de tráfego já utilizada outras vezes. Ela deve ser expandida. É questão de, inclusive, ampliar a qualidade e os quadros da engenharia de tráfego no Rio, para não ficarem apenas convergidas para o centro, mas também para as zonas norte e oeste. O senhor é autor de mais de 120 leis.

Qual das aplicadas à cidade se orgulha por estar bem implementada?

A que ofereceu desde 1995 vagas para pessoas com deficiência em concurso público. Tem uma lei muito importante, que é a que preservou os campos de futebol 11 contra 11. Essa evitou que o Flamengo virasse shopping; o Bonsucesso virasse supermercado; o Campo Grande tivesse vendido seu campo porque estava afundado em dívidas e evitou que o São Cristóvão, berço do Ronaldo Fenômeno, virasse prédios comerciais ou residenciais. A lei preserva áreas dos campos. Me orgulho de ser o autor. O Rio está sendo bem preparado para Copa e Olimpíada?  Jamais teria gasto R$ 1 bilhão em reforma do Maracanã. Ali com certeza era para ter jogado a iniciativa privada. E esse dinheiro, melhor teria sido aplicado em expansão do metrô. Umas das reclamações é que o Rio está caro.

Cabe ao município intervir?
Esse episódio último, dos hotéis da Rio+20, eu acompanhei em Brasília: a empresa que ganhou a licitação para vender pacotes botava plus de 33% em cima do que os hotéis ofereciam e exigia um mínimo de sete noites, o que gerava um produto caríssimo. Mas o Rio é um sonho de consumo de todos os brasileiros. As pessoas querem visitar o Rio. Estão sendo construí- dos alguns hotéis, mas eram para ser muitos mais. Quanto mais hotel, mais concorrência e preço mais barato.

O senhor pretende estimular isso de alguma forma?
Total. Quanto mais hotel, melhor. Vamos chamar as bandeiras internacionais. Aprovou-se uma lei para facilitar a construção de hotel, mas é insuficiente. É preciso correr atrás.

O quanto a atual gestão está pertinente no combate às drogas na cidade?
Está atrasado em relação ao crack. Só no 4º ano de governo foi implantado um programa efetivo de combate ao crack, que ainda é provisório e insuficiente: 1% da população está no crack, o que indicaria, no Rio, 60 mil pessoas. É um número gigantesco diante dos 200 e poucos leitos que a prefeitura está abrindo. Ao invés de gastar R$ 160 milhões em publicidade para badalar o governo e fazer campanha antecipada, esses recursos deveriam ser gastos em campanhas propriamente e em iniciativas de conscientização em relação aos desvios que a droga provoca.

É favorável à internação compulsória?
Sou. Porque a internação é uma necessidade diante de uma flagrante incapacidade do cidadão que consumiu o crack. O que é necessário é que a relação entre poder público e seus agentes com esses seres humanos seja feita de maneira tranquila. As religiões podem ser utilizadas. Não são poucas as iniciativas que existem para trabalhar na recuperação de usuários de crack e de drogas que as igrejas, tanto católica como evangélicas e outras, desenvolvem. O poder público pode apoiar esse tipo de iniciativa. São pessoas que se dedicam ao próximo. E isso tem valor incomensurável na possibilidade de dar certo.  E a descriminalização da maconha? É óbvio que o usuário da maconha não deve ser penalizado. Ele deve ser tratado. Mas a questão da maconha liberada tem consequência econômica devastadora. Porque muitos agricultores deixarão de produzir suas culturas para produzir maconha. Vai ter superprodução, o preço vai baratear, estimular o consumo. Acho isso perigoso. A questão é trabalhar o não consumo.

Quais são os seus planos para a segurança pública? E como seria esse relacionamento com o governo do Estado?
O relacionamento com o governo do Estado será administrativo, sem qualquer dificuldade, sem festinha: republicano. Não apenas em relação ao governador, como também à presidenta. Recentemente, eu fui à presidenta trabalhar a questão do royalties do petróleo, em prol do Rio. A segurança é um problema da sociedade como um todo. Então, a iluminação tem a ver com segurança. A Guarda Municipal precisa ser prestigiada. Não sou a favor da guarda armada, o guarda municipal tem que ganhar mais. A médio e longo prazo, a semente que vai frutificar na sociedade menos insegura é a educação e a oportunidade de as pessoas terem acesso a trabalho digno.  É a favor das atuais Unidades de Ordem Pública?  Sou a favor. É preciso cuidar do dia a dia da cidade e evitar que as pessoas se excedam. É preciso trabalhar de maneira humana, democrática, conversando. A ótica do governo está voltada para a zona sul. Mas nós queremos fortalecer a figura dos administradores regionais, que estão esquecidos e podem ser úteis na questão das posturas municipais, naquilo que é a origem da desordem urbana.  O SUS no Rio é o pior do Brasil.

Como inverter em quatro anos?
A atual gestão se preocupou mais com asfalto ou cimento do que com as pessoas. Ao lado de muitas UPAs e Clínicas da Família têm postos de saúde que ficaram abandonados. Antes de construir novos é preciso botar para funcionar o que existe. Essa é uma filosofia de trabalho que a gente quer deixar muito clara como uma ação de governo.

Quando vai estar pronto seu plano de governo?
Até 5 de julho por lei, minha própria lei. Eu acho que essa regra, que vai ser experimentada pela primeira vez no Brasil, será pedagógica na prática política como um todo. As pessoas, quando se candidatarem, vão raciocinar não apenas considerando a esperança no futuro, mas também o que é possível fazer. A esperança tem que caber no orçamento. As pessoas vão poder fiscalizar durante e, sobretudo, depois para conferir se o que foi proposto na prática está sendo executado.

Como será o seu ?nanciamento de campanha?
De qualquer empresa ou indivíduo que tenha sido objeto de condenação por improbidade administrativa, nós não vamos aceitar qualquer tipo de apoio. Quem quiser me apoiar, pode apoiar sem toma lá dá cá.

Você tem um patamar do que precisa para a campanha?
Não tenho. O Rio tem uma oferta de profissionais de cine e vídeo muito grande. O que interessa nesse critério é ganhar no quesito originalidade, não no luxo. O luxo eu deixo para os atuais.

Qual vai ser a importância da internet?
Toda. A internet ajuda a democratizar o processo de campanha de debate sobre os problemas da cidade. A internet substitui as placas, uma porção de coisas. Não é dado ao homem público qualquer dúvida ou esconder qualquer coisa. Vivemos o tempo da hipertransparência. Isso é bom e democrático. O drama da internet serão jogos menores de ataques ou campanhas difamatórias. Mas a Justiça Eleitoral está se preparando.

Juscelino Kubitschek foi seu padrinho. Têm a?nidades?
Ele foi tolerante, eu sou tolerante. Não se associa a mim a figura de alguém que possa ter qualquer postura autoritária. Juscelino era compreensivo, foi perseguido e incompreendido em muitos momentos, mas era acima de tudo um democrata.

O senhor fala que na prefeitura serão 40 anos em quatro. Como isso seria possível?
Dedicação total, priorização, alocação de recursos e convocação da sociedade às suas responsabilidades. A Convenção Geral da ONU, que o Brasil aprovou, estabelece que se deve oferecer os insumos de equipamentos e possibilidades para o deficiente viver bem na sociedade e ter os direitos de ir e vir e ter acesso aos bens civilizatórios. Ninguém está livre de se tornar deficiente: 23% da população tem algum tipo de deficiência. Atenção a esse núcleo e trazê-los para um movimento mais aberto e mais normal, mais humano possível vai ser muito útil para a sociedade.

E qual é a in?uência do ex-prefeito e governador Marcello Alencar?
O Marcello, a quem eu me vinculo desde o movimento estudantil, Brizola e por aí vai, traduz a figura de um homem público que vê o povo em primeiro lugar, sensível às questões dos mais pobres. Preocupado que tenham voz e vez. Quando a gente organizava as 163 prefeituras itinerantes, e eu ficava à frente disso, sempre acabava em reuniões com associações de moradores. Mas ele praticava o que se chama de democracia direta: falava com as pessoas. Com a internet, vamos poder consultar mais a população. A questão da Perimetral, por exemplo, não houve debate. É produto de uma visão autoritária de governar.  A PEC da música (proposta de emenda à constituição que vai baratear CDs e DVDs) pode acabar com a pirataria? Vai combater. Mas nós queremos fazer do Rio a cidade da música. Não apenas da música do grande show de Copacabana. Mas a cidade que proporciona aos valores esquecidos da zona oeste e do subúrbio a oportunidade de serem músicos. Como autor da PEC da música, quero expandir a atividade musical às áreas mais pobres. 
SE VOCÊ GM, QUER QUE SEJA PUBLICADO AQUI ALGUMA MATERIA , PODE SER SUA; OU UMA SUGESTAO ,MANDE PRA O MEU E-MAIL- bloggmgo@gmail.com É UMA FORMA DEMOCRATICA DE PARTICIPAREM DO BLOG. QUE É NOSSO E LIVRE!