Cadastre seu Email

sábado, 14 de setembro de 2013

Guarda suspeito de matar jovem em Barrinha diz que não estava armado


GCM foi ouvido na delegacia de Sertãozinho (SP) nesta quarta-feira (11).
Homem vai responder em liberdade por homicídio e porte ilegal de armas.

Do G1 Ribeirão e Franca
O comandante da Guarda Civil Municipal (GCM) de Barrinha (SP), William Américo Campanini, suspeito de ter atirado e matado um soldador de 26 anos na última segunda-feira (9), disse nesta quarta-feira (11) em depoimento à Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sertãozinho (SP) que não estava armado. Ele negou ter efetuado o disparo que vitimou o jovem. De acordo com o delegado Rodrigo Pimentel Bortoleto, que investiga o caso, o guarda civil foi indiciado pelos crimes de homicídio qualificado e porte ilegal de armas, mas responderá o processo em liberdade por ter se apresentado espontaneamente à polícia.
Além das investigações da Polícia Civil, o comandante da GCM também é alvo  de uma sindicância aberta pela Prefeitura de Barrinha para investigar o caso. Campanini foi afastado da função por tempo indeterminado.
segundo Bortoleto, o comandante da GCM confirmou que participou da ocorrência da Polícia Militar na Vila São José. De acordo com o delegado, o guarda civil afirmou que estava almoçando com os policiais militares na sede do pelotão da PM em Barrinha, quando os agentes disseram que fariam uma blitz à procura de um foragido da Justiça. Os policiais teriam saído em direção ao bairro, enquanto os guardas municipais saíram em patrulhamento para o centro da cidade.
O comandante da GCM disse à polícia que, em determinado momento, ele e outros guardas resolveram acompanhar a diligência da PM. "Segundo o guarda, lá chegando os policiais já haviam abordado três indivíduos e depois chegaram mais dois. Dentre eles estava o Tiago [vítima]. Os PMs teriam saído do primeiro local da abordagem e ido até casas abandonadas próximas ao local. Os guardas ficaram com aqueles rapazes, e então formou-se uma confusão. Os rapazes partiram para cima deles, com vias de fato, ocasião em que o comandante da GCM ouviu um disparo semelhante à arma de fogo. Ele diz não saber de onde partiu o disparo", explica o delegado.
O soldador Tiago Antonio da Sil,va de 26 anos, foi morto durante bltz da Guarda Civil Municipal em Barrinha (Foto: Reprodução/EPTV)O soldador Tiago Antonio da Sil,va de 26 anos, foi
morto durante blitz da Guarda Civil Municipal em
Barrinha (Foto: Reprodução/EPTV)
O suspeito disse ainda em depoimento à polícia que só após ouvirem o barulho é que perceberam que a vítima havia caído no chão, ensanguentada. "Nessa ocasião, no momento do tiro, os PMs teriam retornado ao local e efetuado disparos para o alto para dispersar a confusão. Foi aí que eles viram que a vítima estava no chão", diz Bortoleto.
De acordo com o delegado, a versão apresentada pelo comandante da GCM à polícia é semelhante ao depoimento dado pelos policiais militares envolvidos na ocorrência. "A versão não bate, no entanto, com a história que os rapazes que estavam na blitz mencionaram, pois eles dizem que viram o guarda municipal disparando contra a vítima", comenta.
Apesar de ter negado estar armado no momento do crime, o comandante da GCM admitiu que possui arma de fogo. Ele disse ao delegado, no entanto, que o armamento encontrava-se na reserva de armas da Polícia Militar em Sertãozinho (SP).
Segundo Bortoleto, o guarda foi formalmente indiciado pelos crimes de homicídio qualificado e porte ilegal de arma de fogo. O comandante da GCM, no entanto, responderá ao processo em liberdade por ter se apresentado de forma espontânea à Polícia Civil.
Morte de jovem
O GCM é o principal suspeito de ter matado com um tiro na cabeça o soldador Tiago Antônio da Silva, de 26 anos. O crime aconteceu na Vila São José, onde o comandante e outros guardas estariam verificando uma denúncia de consumo e tráfico de drogas.
No local, Silva teria sido baleado ao se desentender com os GCMs durante a abordagem. O jovem chegou a ser encaminhado para a unidade mista de saúde do município, mas não resistiu aos ferimentos. O corpo do rapaz foi enterrado no cemitério da cidade na terça-feira (10).
A morte provocou revolta entre moradores, que por dois dias atacaram prédios públicos e viaturas policiais. A Prefeitura estima um prejuízo de pelo menos R$ 1 milhão.
  •  
 O delegado Rodrigo Pimentel Bortoleto ouviu o comandante da GCM de Barrinha nesta quarta-feira (11) (Foto: Maurício Glauco/EPTV)O delegado Rodrigo Pimentel Bortoleto ouviu o comandante da GCM de Barrinha nesta quarta-feira (11) (Foto: Maurício Glauco/EPTV)

tópicos:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários,críticas,sugestão são bem vendas!

SE VOCÊ GM, QUER QUE SEJA PUBLICADO AQUI ALGUMA MATERIA , PODE SER SUA; OU UMA SUGESTAO ,MANDE PRA O MEU E-MAIL- bloggmgo@gmail.com É UMA FORMA DEMOCRATICA DE PARTICIPAREM DO BLOG. QUE É NOSSO E LIVRE!