Cadastre seu Email

sábado, 16 de novembro de 2013

Policiais de Pilar são marcados para morrer, diz chefe da Guarda Municipal


Carta anônima alertava chefe da Guarda sobre recompensa por mortes.
MP, Poder Público e Judiciário discutem medidas de segurança na região.


Comente agora

A violência em Pilar deixa assustado até quem trabalha para garantir a segurança da população. O chefe da Guarda Municipal, sub-tenente da reserva Antônio Correia, informou, na manhã desta segunda-feira (11), que os criminosos encomendaram a morte dele e de mais três policiais - dois civis e um militar - que atuam na região.
"Só há duas viaturas para fazer o patrulhamento. Os policiais trabalham assustados", alerta Correia. De acordo com o chefe da Guarda, uma carta anônima teria avisado das mortes por encomenda, com detalhes e ainda o valor a ser pago pela vida dele: R$ 30 mil.
Ainda segundo Correia, a onda de violência em Pilar acontece por causa de disputas de grupos ligados ao tráfico de drogas. Nos últimos quatro meses, o número de homicídios chegou a 60, em um universo de pouco mais de 33 mil habitantes.
Reunião no Fórum do município de Pilar discute a violência. (Foto: Carolina Sanches/ G1)Reunião no Fórum do município de Pilar discute
a violência. (Foto: Carolina Sanches/ G1)
Medidas de Segurança
Nesta segunda-feira (11), o procurador-geral de Justiça, Sérgio Jucá, o promotor Jorge Dórea, o juiz Sandro Augusto e representantes de órgãos ligados à Secretaria de Defesa Social e da Prefeitura Municipal se reúnem no Fórum do município para discutir medidas que possam garantir a segurança na região.
A reunião acontece a portas fechadas e dela deverá sair alguma ação efetiva de combate ao crime na região. Segundo Dórea, a reunião foi convocada porque as autoridades policiais não cumpriram o acordo para reforçar o efetivo na região, firmado em julho deste ano.
Em setembro, a promotoria enviou ofícios ao comandante da PM, coronel Dimas Cavalcante, e ao delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Cerqueira, reforçando o pedido de aumento do efetivo e agilidade na conclusão dos inquéritos. Um levantamento do Ministério Público e do Poder Judiciário apontou que existem 227 inquéritos de homicídios parados e sem autoria.
Como nenhuma resposta foi dada e até agora nada foi feito, os representantes do Poder Judiciário e do MP no município convocaram a reunião e cobram mais uma vez providências para que as medidas emergenciais sejam viabilizadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários,críticas,sugestão são bem vendas!

SE VOCÊ GM, QUER QUE SEJA PUBLICADO AQUI ALGUMA MATERIA , PODE SER SUA; OU UMA SUGESTAO ,MANDE PRA O MEU E-MAIL- bloggmgo@gmail.com É UMA FORMA DEMOCRATICA DE PARTICIPAREM DO BLOG. QUE É NOSSO E LIVRE!